Tratando rugas com peeling químico

As rugas são linhas e vincos que se formam naturalmente com o envelhecimento, provocando marcas e dobras na pele. Embora o enrugamento cutâneo seja comum com o avançar da idade, hábitos como o tabagismo, exposição ao sol e a movimentação excessiva da musculatura facial podem acelerar e intensificar o aparecimento dessas marcas.

Há quem receba as rugas com tranquilidade e naturalidade, afinal, elas são marcas do tempo e sinais de longevidade, mas, de modo geral, as rugas são bastante incômodas e podem impactar negativamente a autoestima de homens e mulheres. A boa notícia é que existem tratamentos eficazes para amenizar a aparência da pele enrugada e conquistar uma cútis mais firme, sadia e uniforme.

Um dos métodos estéticos mais usados para essa finalidade é o peeling químico. Quer saber como ele atua no tratamento de rugas? Então continue lendo o nosso artigo sobre o assunto!

Afinal de contas, o que é  peeling químico?

O peeling químico nada mais é do que um procedimento estético usado para melhorar a aparência da pele, por meio da aplicação de uma solução química. Essa solução provoca a separação e descamação cutânea, fazendo surgir uma pele mais lisa e menos enrugada do que a antiga. Como se não bastasse, o peeling químico ainda ajuda a uniformizar a cor da pele.

Para tratar que tipo de ruga o peeling químico é indicado?

O peeling químico é usado especialmente para tratar rugas finas, incluindo as que ficam em torno da boca e debaixo dos olhos. Vale  ressaltar que as rugas causadas pelo fotoenvelhecimento, e também aquelas decorrentes de fatores hereditários, podem ser atenuadas ou eliminadas com o auxílio das sessões de peeling químico. As rugas profundas, depressões, vincos e saliências mais marcantes na pele, entretanto, não respondem ao procedimento de maneira efetiva. Nos casos mais graves, o peeling químico acaba funcionando como coadjuvante no tratamento, podendo ser associado a outros tratamentos estéticos, como o Laser de CO2 Fracionado.

Como é feito o peeling químico?

O peeling químico costuma ser realizado em clínicas especializadas e consultórios dermatológicos. Primeiramente, a pele é limpa para remover o excesso de oleosidade e, então, os olhos e cabelos são protegidos. Nesse momento, o paciente está pronto para receber a solução química na pele e o agente descamante será aplicado para promover a renovação celular.

Quais são as substâncias ácidas mais usadas no peeling químico?

O peeling químico pode ser feito com soluções de ácido retinoico, ácido glicólico, ácido salicílico, ácido tricloroacético, ácido láctico, ácido carbólico (fenol), entre outros. Somente um especialista poderá indicar qual é a escolha adequada para cada caso. A decisão deve ser tomada com base nas queixas e nos objetivos do paciente.

Além das rugas, que outros problemas o peeling químico trata?

Esse procedimento estético é multifuncional e serve para tratar vários problemas cutâneos. Além das rugas, o peeling químico pode também:

  • Amenizar cicatrizes leves;
  • Tratar certos tipos de acne;
  • Diminuir manchas decorrentes da exposição ao sol;
  • Atenuar sardas;
  • Diminuir manchas de envelhecimento;
  • Devolver o brilho e firmeza da pele;
  • Produzir elastina e colágeno, melhorando assim a flacidez da pele;
  • Amenizar as manchas causadas pelo uso de pílulas anticoncepcionais.

E aí, você gostou de saber como o peeling químico age na pele? Apostaria nesse método para tratar rugas e linhas de expressões? Comente e compartilhe suas opiniões e experiências com a gente!

WhatsApp chat